No dia 13 de abril, última sexta-feira, os alunos do 4º ano da Escola Terra Firme foram conhecer melhor a Biblioteca Pública do Paraná (BPP). A visita fez parte das atividades desenvolvidas pela turma no projeto “Amizades”, com a professora Rosane Marçal, que acompanhou as crianças. Com muito interesse, alunos e alunas fizeram o “Bibliotour”, um projeto da BPP que se propõe a apresentar a Biblioteca ao público, explicando a função de cada seção e serviço. O objetivo da visita foi estreitar os laços de amizade com os livros que, segundo a professora, já estão se estabelecendo de forma surpreendentemente rápida e envolvente.

Logo na chegada, na Seção Infantil, ao serem perguntados se já frequentaram uma biblioteca, a resposta positiva foi unânime, com exclamações como “Vou sempre na escola!”. E quando surgiu a questão acerca de quem é a BPP, houve quem respondesse sem pestanejar: “É nossa!”. Ali mesmo, foram informados sobre a história da Biblioteca e instruídos acerca dos procedimentos para realizar o Bibliotour.

Para muitas crianças da turma, ir à BPP não foi novidade. O diferente foi fazer isso conhecendo detalhadamente a diversidade daquilo que é realizado lá, incluindo uma visita ao acervo de literatura em braile e uma parada de alguns minutos muito alegres, porém o mais silenciosos quanto foi possível, na Gibiteca.

Devorando livros – A professora não se mostrava surpresa com a animação de seus alunos e alunas. Segundo ela, todos ficaram muito felizes quando o dia do passeio foi anunciado, pois tinham a perspectiva de ler na biblioteca. Esse desejo foi manifestado por muitos, que queriam sentar e pegar alguns livros, mas o tempo era curto e havia muito o que conhecer. Houve crianças que já planejavam a próxima visita que fariam com os pais, dessa vez para mergulhar no mundo fantástico dos livros. “A turma está empolgada com a aproximação que vem fazendo com a leitura. Está devorando livros, em menos de dois meses foram dois e estamos partindo para o terceiro”, disse Rosane.

No dia a dia da turma, a leitura é realizada em sala, tanto com a participação da professora, quanto em grupos ou individualmente, conforme a tarefa. Os livros “devorados” foram “A Bolsa Amarela”, de Lygia Bojunga, e o clássico “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint Exupéry. No projeto “Amizades” a proposta de alunos e alunas é tomar o livro como um amigo que ensina coisas, faz imaginar e está sempre ao nosso lado. “Há muitas crianças que já trazem esse interesse pela leitura de casa e isso facilita muito, tanto para quem já está nesse estágio como para quem ainda não está, que percebe a animação dos colegas e se empolga também”, explicou.

Formação humana – A professora-auxiliar Mayra Martins, que é antropóloga e está enriquecendo a sua formação cursando Pedagogia, também percebe o surpreendente apego à leitura que a turma vem demonstrando. “Quando o livro vai chegando ao final, eles começam a ler devagar para o livro não acabar, demonstrando o quanto se envolvem nas histórias”, afirmou. Ela atribui isso, em boa parte, à forma como vêm sendo conduzidas as aulas. “Há uma questão de formação humana envolvida, que vai além do transmitir os conteúdos curriculares. Estes são acolhidos com afetividade no projeto da turma e, assim, melhor assimilados, como uma consequência desse acolhimento”, concluiu.

Bibliotour – O passeio pela BPP incluiu explicações acerca de como fazer o cadastro e conseguir o empréstimo dos livros do acervo, isso no hall, quando as crianças foram informadas de que ali acontecem muitas apresentações culturais durante o ano, incluindo exposições e shows. Alunos e alunas também conheceram as diversas mídias audiovisuais utilizadas na história recente, como os discos de goma-laca e de vinil, as fitas cassete de áudio e de vídeo e as câmeras fotográficas analógicas. Visitaram o setor de periódicos e chegaram a visualizar um jornal antigo microfilmado. A visita foi encerrada na seção infantil com um lanche, mas houve quem encontrasse um tempinho para uma rápida incursão ao mundo dos jogos, como damas e xadrez.

Postura exemplar – A visita foi guiada por Yulika Murakami, estagiária da BPP, com o auxílio de Willian Gabriel e Alefer Soares, também estagiários da instituição. Alefer fez a apresentação na chegada e falou do acervo, além de situar as crianças na história da BPP e de seu prédio. Poucas vezes teve que pedir a atenção dos meninos e meninas, que estavam muito interessados, e a palestra foi rápida e produtiva. Yulika disse ter ficado impressionada com a postura dos alunos e alunas do 4º ano da Terra Firme. “Eles prestam atenção, colaboram para aprender e isso não acontece sempre nas visitas de escolas”, garantiu.

Texto: Luiz Geremias
Fotos: Gilson Camargo

#TerraFirme30anos